27 de dezembro de 2010

Dom Casmurro e os Discos Voadores de Lúcio Manfredi



E se Capitu fosse de outro planeta?

Lúcio Manfrendi pegou o clássico Dom Casmurro de Machado de Assis e inseriu nele um contexto novo, no qual alienígenas estão por trás dos misteriosos olhos de ressaca de Capitu. Mais ainda, ele trouxe Bentinho e toda sua trupe para o gênero fantástico de literatura, revigorando um livro excelente, trazendo-o para os leitores novos, ávidos por fantasia. É assim que vejo o trabalho do escritor e roteirista de televisão mencionado no título desta postagem.

Dom Casmurro e os Discos Voadores é um livro novo, mas não tão novo. Lançado em 2010 pela editora Lua de Papel, faz parte da coleção Clássicos Fantásticos que tem o objetivo de inserir grandes obras no contexto da fantasia, tal qual os livros em evidência dos últimos anos. A ideia, fazendo um trocadilho, é fantástica. No livro de Manfredi, que ele mesmo atribui parceria a Machado de Assis (e que parceiro, não?) encontramos, mais uma vez Bentinho e Capitu lutando para ficarem juntos. Contudo, dessa vez, forças desconhecidas querem impedir a união do casal e uma verdadeira "guerra fria" se estabelece. Anunaques e Aquepalos, guarde bem estes nomes e confira no livro o que eles representam.

O livro trabalha bem com o fator suspense. O leitor fica preso ao contexto novo que é apresentado em doses corretas e tempo certo e tudo, ao final, fica esclarecido. O português da obra é simplificado se comparado ao de Machado, mas não é ruim. Pelo contrário. Achei-o excelente. O autor, parafraseia Machado de Assis em todas as partes que não são fantásticas e isso pode gerar desconforto. Por este motivo, não me vi lendo um livro novo, mas sim um livro velho que foi cuidadosamente montado para parecer velho. Fiquei desapontado com isso, pois esperava rever Bentinho e Capitu em um contexto totalmente novo e que não tivesse nada a ver com as palavras de Machado de Assis, mas não é este o caso.

Outro fato marcante é que Capitu mudou de nome. No livro de Manfredi ela é apenas Capitu, enquanto que em Machado ela se chama Capitolina e seu apelido é Capitu. Achei que a falta deste detalhe foi intencional, já que o autor quis dar um ar mais jovial ao livro original, mas não entendi como sensato. Não sei se o leitor poderia concluir por si que Capitu é um apelido e não um nome e mais ainda se não ia pensar: como alguém poderia se chamar Capitu?

Acredito que o problema reside no fato de o livro querer ser uma cópia do original em vários trechos o que nos leva a compará-lo e a deduzir negativamente. O sistema de capítulos curtos de Machado de Assis é usado por Lúcio Manfredi e também os títulos dos capítulos, tudo intencional ao meu ver. Até mesmo o estilo de narração em primeira pessoa, na qual Machado conversa com seus leitores é mantido no livro. Entendo que era preciso usar muitos elementos do livro original nesta versão, mas imaginei que seria mais "livre" e infelizmente para mim, Dom Casmurro é único.

Deduzo, portanto, que Dom Casmurro e os Discos Voadores é um livro velho com um contexto novo. O contexto fantástico inserido é muito bem estudado e trabalhado o que dá qualidade ao livro, mas a parte original que foi usada no livro desaprecia-o, já que não combina com o texto novo, por mais que Manfrendi tenha se esforçado para isso. Rever Bentinho e Capitu, ainda que de forma diferente, foi uma experiência boa e gratificante, apesar de tudo. É um livro que tem uma ideia legal e vale a pena ser lido, mas se você espera algo novo e original, vai ficar desapontado.

É isso!
Um abraço.

22 de dezembro de 2010

Merry Christmas For You de Marília Moraes





Aproveitando o clima natalino dos últimos dias, hoje vamos conversar sobre o e-livro da escritora Marília Moraes, lá do Livros On! Para aqueles que ainda não sabem, o site Livros On! disponibiliza livros eletrônicos para leitura gratuita e a Marília é uma das autoras que fazem parte desta iniciativa bacana. Nossa escritora tem vários livros disponíveis no domínio do site e segue um gênero muito crescente: o romance. Quer conferir a página dela no site literário?

Vamos falar um pouco do e-livro que dá nome a esta postagem. Merry Christmas For You é um romance moderno que conta a história de Takeshi, um jovem apaixonado por uma garota de nome Naomi que trabalha em um shopping. Nesta época de natal, a pretexto de fazer compras, ele pode ter a chance de conseguir algo mais do que admirá-la. Assim é o romance da Marília, cheio de inseguranças adolescentes e de sentimentos, super indicado para o fim do ano. Quando passei os olhos pelo livro, tive a impressão de estar lendo um manga adolescente e isto foi muito interessante. A letra do livro é grande e o leitor digital do Issu é excelente.

Este livro é o E-book do mês aqui no blog e poderá ser conferido da página respectiva. Espero que apreciem a leitura, fica a dica e eu vou indo!

Um abraço

17 de dezembro de 2010

Vendendo seu E-livro




Esta semana, um amigo especial me indicou uma maneira muito legal de comercializar livros no meio digital. Na verdade, este mecanismo não é novo e é ele que vem causando preocupações nas editoras de todo o mundo, já adivinhou do que estou falando? Não? Veja lá:


É a loja virtual Amazon, que dá suporte ao leitor de livros eletrônicos mais famoso da atualidade, o Kindle. O link indicado é para você fazer seu cadastro e disponibilizar seus livros para baixar. Isso mesmo! Qualquer um pode disponibilizar seus e-livros na loja da Amazon e lucrar com a venda deles. Infelizmente o site é todo em inglês, mas creio que muito em breve ele deve ser atualizado com mais linguagens dada a crescente do mercado digital de livros. A Amazon é uma das pioneiras neste tipo de tecnologia e usar suas ferramentas pode dar vantagem para os novos autores. Já pensou receber em sua casa cheques gringos pela vendagem de seus livros?

Não perca tempo, vá lá e cadastre-se para depois upar seu livro e fazer parte do mundo literário digital definitivamente. Aproveite para dar uma sacada nos livros que estão por lá e o modo como eles são comercializados. Ah, não se esqueça que demora um pouco para você poder conferir como ficou o livro depois de upado. O processo de criação de conta e de transferência de arquivo é simples e qualquer um pode realizá-lo.

Sucesso!



 

16 de dezembro de 2010

O peso de 179 laudas por Bruna Maria


 

O título da postagem é o mesmo do texto que passarei a compartilha com vocês. Ele é de autoria da escritora Bruna Maria, uma pessoa muito especial que possue uma ideologia muito interessante. Resumindo para não ser chato, Bruna tem em mente, ao menos foi o que pude notar e ela que me corrija caso esteja errado, que está sempre "escrevendo". Ensina que a graça de viver é estar sempre com os verbos no gerúndio, ou seja, estar sempre fazendo, escrevendo, sendo. Assim ela o é, ou melhor: assim ela está sendo. Tenho que admirá-la por isto, é inevitável. Eu mesmo penso de forma parecida. Acho que sempre temos que estar fazendo algo aliás, acredito que somos desenhos esboçados que almejam ser arte-final um dia, mesmo sabendo que nunca seremos. Então não espera mais para conhecer os projetos da Bruna:

http://blog.brunamaria.com/p/sobre-o-blog.html


Agora vamos ao texto da talentosa autora:


O peso de 179 laudas:

Esquecer é necessário, para uma série de coisas. Eu, por exemplo, esqueci que escrevi o livro. Sim – em teoria, o livro está pronto. O tempo do verbo, assim, é esse mesmo: escrevi. Em teoria: porque escrito ele está, como prova a observação material das laudas completas. Porém, falta ainda a parte. O trabalho para além do enredo. Falta e me assombra. Acredito que, por isso, sobre a escrita do livro, para torná-lo vaporoso e inaudível – mais leve para mim –, debrucei o esquecimento. Já deve fazer um mês. Há um mês eu não escrevi o livro.

Já que conto os dias – há uma semana falei sobre o livro com alguém a quem entreguei as laudas para uma leitura crítica. Houve concordâncias sobre questões que sugerem o trabalho citado ali em cima; eu sei que o que ouvi é o que está faltando. Falta-me, porém, uma espécie de força e sustentação para passar os dias na dedicação. Acho, com isso, que o livro, escrito como está até agora, me diminui, me tira força, me desautoriza (ainda que eu saiba que ele não está pronto do jeito que desejo).

Não devia ser assim. Soa mais, quando talvez devesse ser menos. Afinal, livros são escritos desde sempre, em todos os lugares, pelos mais diversos tipos de pessoas etc., e não deviam ser motivo de desdobramentos emocionais para quem os escreve. Certo? (Não sei. Ainda vou descobrir.) Acontece que, talvez, eu possa contar com um argumento a meu favor: é o primeiro livro, não sei bem o que é tê-lo escrito, não sei nem sobre a possibilidade de publicar (e tudo isso deve se repetir a cada livro que um autor completa). Então toda essa fundamentação do não saber me cobre com suas dúvidas e distorções, quantas sejam possíveis e imagináveis. Arrastam para longe toda a atmosfera de conforto que estranhamente encontrei quando me dispus a escrever a estória daquelas personagens. É o trânsito estranho das horas trancadas em um quarto para uma locação ainda desconhecida na qual o livro deve repousar, depois de pronto. Locação dos olhos. E a emoção alheia – que é o que desconheço. Pensando bem, é como a ideia da "travessia", naquele sentido que Guimarães Rosa coloca sobre as nossas vidas – agora suponho. Deve ser isso mesmo, vou me apropriar: "Travessia."

De qualquer forma, estou voltando ao livro, para trabalhar nessa finalização. Dia trinta e um faz um ano. É uma reviravolta pessoal olhar para trás agora. E para frente, sempre.
Oficialmente, retorno hoje ao livro. Entre tudo o que somatizo nesse ínterim, e as pausas para a recuperação nessa mistura de prioridades e afeto, acredito que logo vai sair o resultado final mais próximo que desejo. Então, só aí, poderei dizer que o livro está concluído, verdadeiramente. E direi aqui mesmo, em primeira mão. Em breve.


Então, o que vocês acharam?

15 de dezembro de 2010

Livros On!



Desenho Maria Falsa de autoria de Tanize Monteiro 



Não faz muito tempo que eu tinha dito que o site literário Livros On! tinha sido atualizado. Agora volto para comentar algumas funções novas do site e possibilidades interessantes. Vamos lá?

Início: Página rosto do site. Podemos conferir autores, leitores, livros, mais lidos e texto dos blogs do site. Tudo muito simples e integrado para facilitar a nossa vida.

Livros: Na página "Livros" você pode conferir os livros que estão disponíveis no domínio para leitura. Estão organizados por categorias e por atualizações. Tudo muito simples.

Autores: É o espaço que elenca quem tem os livros disponíveis no site e serve também para nos informar biografias dos escritores. Todo mundo tem foto por lá; de gente mesmo.

Blog dos Autores: Na barra horizontal situada na parte superior do site, o visitante pode conferir as páginas de navegação. A página de nome Blog dos Autores contém postagens dos escritores do site e dicas de como utilizar bem o espaço. É uma porta aberta de contato com os escritores, para nós leitores.

Leitores: Este espaço é legal. Aqui conferimos todo mundo que está cadastrado como leitor no site. Lembrando que só é possível postar no blog de leitores se formos mesmo leitores.

Blog dos Leitores: Nosso espaça no site. Podemos postar textos, livros, dicas e notícias literárias para que outros leitores e também os autores possam conferir. O editor de postagens é simples e não requer curso para ser operado. Este espaço é observado de perto pelos Administradores do Livros On! e é por ele que um leitor pode se tornar autor do site. Fique ligado!

FAQ: Explicações sobre a funcionalidade do site e mais textos explicativos para nos ajudar.

Contato: Quer falar com os administradores?


Visitem o site e colaborem com os novos autores: http://www.livroson.com/
Um abraço e boa leitura, sempre!

14 de dezembro de 2010

Crônicas de Ester: Jacira


Jacira


O ano era o de 1512, a terra era invadida. Os filhos dela eram estuprados, mutilados e mortos. Ela era bela, tinha os olhos amarelos, aguçados, grandes como se despertos, mas não o bastante. Não para aquilo.
Tinha sido capturada por colonos e amarrada ao tronco e rezava aos seus deuses; pedia que viessem, mas era ela a única deusa presente. Disseram-lhe:
— Filha, entrega tua alma a Deus.
Ela chorou sangue. Diante dela, só para ela, surgiu a Dama de Negro, vestida como a nobreza, mas de olhos vazios e negros:
— Entrega — disse ela com ironia.
Jacira tentou disfarçar seu espanto. Os que ali estavam deduziram por delírio, dado os dias que ela ficara ali, amarrada.
— Que veio fazer aqui? — Perguntou para Lady Morte.
— Não lhe parece óbvio?
O jesuíta continuou depois de pigarrear, como se chamasse a atenção propositalmente:
— Se entregar sua alma, irá para o Paraíso; para o Céu. Se não o fizer, irá para o Inferno.
A dama de negro gargalhou:
— É muito engraçado como eles têm explicações para tudo, não acha?
 Jacira ignorou o comentário da irmã e pensou em seu povo, em seus filhos. Respondeu:
— Não é engraçado.
Ela fez uma reflexão do que estava acontecendo naquele momento histórico. Pessoas de outra cultura estavam impondo seu modo de vida aos filhos dela; estavam trazendo um deus europeu; um deus espanhol. Jacira não conhecia o deus espanhol, mas o imaginou cruel demais, afinal que deus permite genocídio? Que deus mata por ganância? Então perguntou ao jesuíta:
— Os espanhóis também vão para o céu? Vão ao encontro de deus?
O homem religioso fez uma pausa reflexiva antes de dizer:
— Por certo que sim.
 — Então prefiro ir para o Inferno.
Lady ficou séria repentinamente. Colocou sua mão no ombro de Jacira.
Ela não sentiu dor, ela não sentiu nada que fosse possível sentir. Não havia mais o que sentir e quando se passaram muitos dias e muitos urubus, ela acordou. Estava ainda presa ao tronco, mas agora tinha força para se soltar. Estava com o corpo decomposto, mas tinha poder para reconstituí-lo, pois depois da morte vem sempre a vida. Ela era a Vida.
Jacira chorou a morte dos seus filhos e quis senti-la em sua carne para não esquecê-la, era assim que as coisas funcionavam com ela. E toda vez que um filho dela é levado por Lady ela ainda sente.

13 de dezembro de 2010

Pollyanna de Eleonor H. Porter



Ser feliz é um jogo

 
O romance infanto-juvenil da escritora Eleonor H. Porter, intitulado simplesmente de Pollyanna, é um daqueles livros de mensagem que vale a pena ser compreendida. Publicado em 1918 nos Estados Unidos da América, seu sucesso foi imediato, tanto que incentivou a autora a lançar sua continuação, Pollyanna Moça, mas isto é outra história. Aqui no Brasil, Pollyanna foi traduzida pelo nosso célebre escritor Monteiro Lobato e alcançou, também, grande sucesso.

A história relata os anos de vivência da criança Pollyanna Whittier na cidade de Beldingsville em companhia de sua tia Polly depois de se tornar órfã. Esta tia, que não é muito de sorrisos e de felicidades, acaba descobrindo que sua nova enteada tem um dom especial. Intrigada, tia Polly não compreende como Pollyanna consegue se manter feliz em todas as circunstâncias. Ela passa a submeter a menina a todo tipo de desagrado para vê-la triste, ao menos uma vez. Mas não obtém sucesso. É que Pollyanna está jogando o Jogo do Contente.

Quer saber o que é o Jogo do Contente? (se ainda não sabe) Vá a uma livraria perto de sua casa ou mesmo em uma banca de revistas ou sebo e adquira o livro Pollyanna, pois vale muito a pena. De lambuja você ainda ganha descrições interessantes de como era o século XIX e suas pessoas, além de tirar lições para uso prático sobre comportamentos. A lição que tirei das páginas de Eleonor foi importante; mais que isso foi incentivadora. Encontrei ali, e confesso agora, uma escritora preocupada com o comportamento da sociedade que fazia parte; vi alguém quer tinha algo importante para passar e até mesmo hoje, sua mensagem continua atual. Que bom se pudéssemos todos jogar como Pollyanna.

As vezes me pego pensando em como somos desatentos. Como gostamos de atribuir felicidade nas coisas e não em nós; como é fácil justificar tudo. Pollyanna, avessa a estes pensamentos meus, nos mostra de modo simples o que realmente importa. Fica a dica quentíssima, ao estilo José Dias.
Abraço.

10 de dezembro de 2010

A Sociedade da Rosa de Leonardo Schabbach



Gosto muito da maneira que o Leonardo Schabbach trabalha seus textos. Este jovem escritor, editor e mais adjetivos que me falham por ignorância, coordena o blog literário de grande utilidade chamado Na Ponta do Lápis. O espaço é destinado à noticias, dicas e entrevistas do mundo da literatura, mas para não fugir do assunto, vamos falar do que viemos falar, ou seja, de seu novo projeto: A Sociedade da Rosa.

Segue seu texto "Pano de Fundo" para a nova trama:

A Sociedade da Rosa - Relato primeiro
Muitas vezes algo de extrema importância nos bate à porta, choca-se conosco e altera radicalmente nosso destino sem que tenhamos escolha. Isso aconteceu comigo cinco anos atrás, quando encontrei alguns diários em um antigo sebo de Veneza. O dono não conseguia lê-los e me vendeu bem barato; os livros estavam escritos em português: retratavam a história de vida de um homem chamado Felipe Pereira Meinham, um brasileiro que me deu pistas sobre uma organização extremamente complexa e influente; a Sociedade da Rosa.

Antes de continuar com meus relatos, porém, acho prudente me apresentar. Chamo-me Marcos Costa de Oliveira, sou um historiador com mestrado e doutorado na Universidade Federal do Rio de Janeiro. Nunca pensei que me envolveria em algo tão grande como o que estou prestes a relatar, sempre fui um acadêmico centrado, não dado a nenhuma especulação histórica, a nenhuma pesquisa que envolvesse pressupostos nebulosos, sem visíveis bases concretas, mas sinto que, de algum modo, as coisas não poderiam ter acontecido de maneira diferente.

Como já bem lhes relatei, faz cinco anos, deparei-me com alguns diários em Veneza que me abriram os olhos para um mundo novo. De lá para cá, fiz muitas pesquisas, no mundo inteiro e, principalmente, no Brasil, para reconstruir a vida deste misterioso homem chamado Felipe Pereira Meinham – e muitas vezes cheguei a arriscar a minha vida para isso. Infelizmente, devo admitir, fiz descobertas terríveis, coisas que muitos achariam repugnantes – e que a maioria teria dificuldade em acreditar. Conheci uma organização que já atua faz centenas de anos na sociedade ocidental e que, desde o princípio, foi responsável por dar um destino ao mundo, mesmo que tudo parecesse obra do acaso.

Escrevo, a partir do dia de hoje, para transmitir o que descobri a todas as pessoas, escrevo também para impedir que a Verdade – uma vez que a organização me parece quase uma entidade metafísica – possa ser silenciada, para ter certeza de que minha história chegará às mãos de outros, mesmo que algo de terrível aconteça a mim. Sou apenas um mero pesquisador, não sei se tenho as habilidades literárias necessárias, mas tentarei reconstruir tudo aquilo que descobri da vida de Felipe Pereira Meinham para revelar, por meio de sua história, mais detalhes a respeito da Sociedade.

Ass. Marcos Costa de Oliveira

Ao que tudo indica, teremos uma história de suspense, mistérios e grandes aventuras. Achei o tema escolhido muito interessante, além de original e desejo muito conferir a história propriamente dita. Segundo o próprio Leonardo, a história estará disponível junta de outros contos dele, lá no blog Na Ponta do Lápis, numa página estática. Acho que isto vai facilitar a leitura e o acompanhamento. Quer conferir mais novidades? Visite o site:

Sucesso sempre!

7 de dezembro de 2010

Ai se sesse

Hoje trago aos meus amigos um poema. Diferente dos tradicionais trago um poema de corda feito pelo ilustríssimo poeta Zé da Luz. Quão simples e belas são suas palavras! Desprovida de português culto, mas nunca de sentimento e eis aí a essência do lírico. Chega de palavras e vamos aos versos: 

Ai Se Sesse*
(Zé da Luz)


Se um dia nós se gosta-se
Se um dia nós se quere-se
Se nós dois se emparea-se
Se jutim nós dois vive-se
Se jutim nós dois mora-se
Se jutim nós dois drumi-se
Se jutim nós dois morre-se
Se pro céu nós assubi-se
Mas porém se acontece-se de São Pedro não abri-se
A porta do céu e fosse te dizer qualquer tolice
E se eu me arrimina-se
E tu com eu insinti-se
Prá que eu me arresouve-se
E a minha faca puxa-se
E o bucho do céu fura-se
Távez que nós dois fica-se
Távez que nós dois cai-se
E o céu furado arria-se
E as virgem todas fugir-se

6 de dezembro de 2010

Selo de Qualidade






Bom dia caros amigos! É com muita gratidão que recebo o selo de qualidade da minha amiga escritora Mariana Ribeiro. Agora, eis as regras:

1º - Preciso dar este selo a 10 blogs;
2º - Avisar a cada blogueiro escolhido;
3º - Falar 10 coisas sobre mim.

 
Seguindo-as, indico os 10 blogs que devem também recebê-lo: 


10 coisas sobre mim

1 - Tenho uma filha linda, de um ano, que se chama Bárbara; 
2 - Adoro histórias em quadrinhos;
3 - Não gosto de falar sobre mim;
4 - Fico chateado quando me deparo com injustiças. Pior ainda é ter consciência para saber que o injustiçado não sabe o que está lhe acontecendo.
5 - Dificilmente peço alguma coisa. 
6 - Escrevo histórias porque gosto. 
7- Penso como leitor; eu sou um leitor.
8 - Tenho um ótimo advogado: a razão;
9 - Tenho um ótimo professor: a consciência. 
10 - Tenho uma linda família. 

É isso aí!

3 de dezembro de 2010

Warld de Fagner JB




Com o slogan: "O mundo muda. As pessoas não" a série literária Warld do escritor Fagner JB nos trás um futuro possível para nossa realidade. Mistura de ficção com fatos acontecidos, neste futuro, passamos a refletir sobre nossos próximos dias. O jovem Stevy é o personagem principal da história central de Warld e é sua vida, seu drama no mercado de trabalho futurístico que passamos a conhecer. Para ajudar o leitor a entender o mundo da série, anexos diversos estão colocados no site e servem para situar o leitor na história. Mais que isso, pelo site intuitivo de Warld, podemos descobrir o que aconteceu nos anos anteriores à história, veja:

É muito criativo e bem trabalhado os acontecimentos mencionados nesta parte do site. Seguindo o estilo do autor aqui comentado, Warld não é uma história amena e de fácil interpretação. Exige-se do leitor atenção e consciência. O site todo da série é um chamativo a parte, pois é totalmente interativo, além de fácil entendimento. Tudo está onde deve estar. Você pode contribuir para que a série continue apenas comentando, ou se quiser pode fazer uma doação:

Projetos como este que apresentei devem ser valorizados e difundidos, pois é deles que extraímos o quanto o autor nacional é criativo e talentoso. Nunca vi outro site que fosse tão bem construído para uma história como este que indico. Acho que a dedicação de Fagner surtiu o efeito desejado.

Última dica: clique no botão de "desligar" que aparece quando o site está carregando e depois me conte o que acontece. 

Abraços!



 

2 de dezembro de 2010

La Bandida Book Trailer e Novidades

Olá amigos! Tenho algumas novidades para contar sobre o Livro La Bandida, mas antes de começar queria mesmo agradecer aos leitores que são mais que leitores, sempre foram verdadeiros amigos. Agora vamos às novidades.

Em recente contato com o editor responsável pela edição do livro, tive a informação de que La Bandida estará pronto no início do ano de 2011. O atraso se deu por conta de burocracias envolvendo a legalização da Editora Mutuus, que é a responsável pelo livro. Recebi a grata notícia de que tudo está normalizado e que os livros poderão enfim ser produzidos, não é legal?

Agora vamos falar um pouco do livro em si. Para aqueles que ainda não sabem, La Bandida é um livro de bang bang em que a personagem principal busca encontrar o assassino de seus pais para se vingar. Nesta busca cheia de aventura, ela vai se deparar com impasse, mas não me cabe estragar a surpresa. Veja o Book Trailer do livro:



Gostou? Eu tinha falado de book trailer em uma postagem recente. Minha opinião é de que vale muito a pena fazê-lo. A divulgação é muito importante em tudo, mas nada é mais importante do que pessoas. Por favor, deixe aqui sua opinião sobre o vídeo! Um abraço.

   

1 de dezembro de 2010

Arelli – A história de um Anjo



 


Não sei bem os motivos que ensejaram esta postagem, mas acho que estão relacionados à questão de ideais, de vontade e sonhos. Costumo dizer que as coisas feitas com verdadeira disposição, transpassam e aqui temos um exemplo: Arelli. Este nome de personagem, que também é nome de série livros e inspiração para editora, trata-se de criação da escritora Nessie Araujo:





Vamos por partes, como diria nosso amigo Jack. Nassie Araujo é autora do livro Arelli - Vol.1 - Quebrando as Regras, que em breve será lançado pela Arielli Editora e vai estar disponível para compra. Você pode dar uma força para a autora adicionando o livro dela como "vou ler" lá no Skoob:






A história, pelo que pude perceber, trata de um romance angelical que retrata a vida de um arcanjo escondido aqui na Terra. Neste primeiro volume, temos Arelli como Jéssica, antes de ela descobrir sobre a Profecia e seu real papel no Mundo Sobrenatural. Ela, na verdade é um dos quatro arcanjos que devem cumprir certo desígnio de Deus, a grosso modo. Neste livro, acontece o descobrimento de Jéssica/Arelli sobre a Profecia. Lá no skoob tem a sinopse do livro para você que quer saber mais. Mais ainda, no blog da autora há muitas informações e até mesmo o prólogo e primeiro capítulo do livro. Vale a pena dar uma checada.



O que me chamou a atenção neste projeto todo, foi a possibilidade de novos autores terem suas obras também publicadas pela Nessie. Não entendeu? Bem, a autora de Arelli está encabeçando uma nova editora voltada para o jovem autor de fantasia, a Arielli Editora. Veja o site:






 A ideologia da editora e tendo em vista ser ela formada por escritores que sabem das dificuldades de se lançar um livro hoje em dia serve de motivos para considera-la como uma ótima opção na hora de se escolher uma editora. Se você fuçar nos endereços que disponibilizei vai encontrar muita coisa bacana como, por exemplo, outros livros de novos autores e a maneira de se mandar originais. Então, o que está esperando?



30 de novembro de 2010

Promoção: Faça uma criança feliz.




Hoje é o último dia do mês de novembro e dezembro se aproxima. Todo mundo sabe que em dezembro comemora-se o natal, certo? Com a proximidade das festas de fim de ano, pensei em fazer uma promoção um pouco diferente; uma promoção que tenha um objetivo legal, na verdade. Foi então que bolei a promoção "Faça uma criança feliz".



É o seguinte, para participar você não vai precisar seguir ninguém no twitter nem tuitar nada. Você só precisa ir até os Correios e pegar lá uma cartinha para o Papai-Noel de alguma criança. Depois deve presentear a criança da carta com o que ela pediu, mas se o pedido for algo exageradamente caro você pode substituir o presente por algo de sua preferência. O importante é presentear a criança que deixou a cartinha nos Correios, sacou?



Todos aqueles que fizerem esta boa ação concorrerão no dia 30/12/2010 a um exemplar do livro Ester. Explico que todos que pegarem as cartas devem postar um comentário na página promocional do blog, para que eu possa incluí-lo no sorteio. Mais fácil que isso, só dois disso como dizia um amigo meu. Pois bem, a promoção começa a valer a partir de hoje. Um abraço e feliz natal!

26 de novembro de 2010

Love Game de Wellington Cadinelli



Todo mês aqui no blog temos um livro eletrônico novo para leitura. Desta vez, para comemorar a aprovação da publicação, apresento-lhes Love Game do meu amigo Wellington Cadinelli . E-livro do jovem autor está disponível para leitura no site literário Bookess e pode até ser comprado por lá, seja em formato eletrônico ou em papel. Mas aconselho você a esperar o livro virar uma publicação pela editora Multifoco. 

Love Game, trata assuntos contemporâneos relacionados à romances atuais. São algumas meninas que estão a procura de um amor verdadeiro nesta era tão atribulada. Dessas garotas, destaca-se Lara, a nossa querida professora de inglês que está prestes a ter sua vida mudada por uma paixão. Limito-me a chegar até aqui no enredo, para não estragar a graça de ler as palavras do Welington. Tenho que dizer que o livro eletrônico disponível aqui e lá no bookess não está completo, pois a versão integral é comercializada pelo autor. 

O legal deste livro é que ele é escrito por um homem, fugindo do tradicional em que uma menina fala de outra menina. Entendo que este gênero moderno de Romance está em evidência nos últimos tempos e Wellington foi muito feliz em apostar suas fichas nele. Acho-o muito original e diferente de livros deste segmento. 

Vale a pena dar uma conferida!

24 de novembro de 2010

Histórias Podem Mudar Crianças - Ganhe Livros Infantis do ITAÚ



Estou muito feliz em poder fazer esta postagem. Primeiro porque foi sugestão de um amigo escritor que prezo muito, o Mateus André, autor de Blocos de Montar. Depois porque divulgar boas ações e iniciativas sempre me faz muito bem. Então vamos ao que interessa.

A Fundação ITAÙ está com uma incrível promoção. Cadastrando-se no site da fundação e fornecendo seus dados, ela vai mandar para você uma coleção de livros infantis. Isso mesmo! Você não vai pagar nada pelos livros e terá a chance de plantar a leitura no coração de seu filho, sobrinho ou vizinho, não é demais? Os livros serão encaminhados para o seu endereço sem custo algum!

Eis o link para se cadastrar:

A iniciativa à leitura é algo formidável; que deve ser amplamente divulgado. Mais ainda, todo mundo deve solicitar os livros e incentivar as crianças para a literatura. Que mundo bonito elas passarão a conhecer! Cadastre-se lá! 

Abraço!

23 de novembro de 2010

Publicando: Editora Multifoco




O jovem autor consciente das portas para adentrar no mercado literário já deve ter ouvido falar na Editora Multifoco. Aquele que ainda não ouviu passará a entender agora como funciona o sistema de publicação desta editora e os que já ouviram, terão algumas explicações. Tudo isto em mais uma postagem da série "Publicando", aqui no blog.

Tudo começa quando se explora o site da editora e por lá acha-se o espaço destinado para enviar originais. Eu vou facilitar e já fornecer o link:

Preenchido todos os campos e enviado o texto para análise editorial, o jovem escritor tem que aguardar o retorno de algum editor que será escolhido de acordo com o selo editorial que esteja dentro do contexto da obra analisada. Selo de literatura fantástica para obras desta monta e selos editorias romanescos para os romances. Não demora nada para algum editor enviar um email para você, informando que recebeu seu original e que em breve entrará em contato para dizer se sua obra foi ou não aprovada para publicação.

Contudo, o tempo que vai do contato do editor até a confirmação ou negativa de publicação equivale a mais ou menos seis meses. As vezes o autor iniciante tem que dar "uma cobrada", se é que você me entende. Mas faça isso com respeito e educação, afinal estas coisas cabem em qualquer lugar e é sempre bom. Aprovado o texto, vem a parte burocrática como assinatura de contrato e reconhecimento de firma em cartório, mais uma série de documentos que devem ser providenciados. Nada de mais, e nada que o autor amador não faça de boa vontade. O contrato é justo e isto denota boa-fé dos responsáveis pela editora, fica minha observação.

Agora vem a grande "sacada" desta editora: o sistema de impressão. A Multifoco trabalha com o sistema de produção sob demanda, ou seja, produz o tanto que vende. Explico melhor: O sistema de produção sob demanda possibilita a editora uma produção de livros totalmente versátil, na qual é possível imprimir apenas 1 livro como 1 milhão deles. Compreende o porquê da Multifoco apostar nos novos autores? Entende que ela não perde muito se o autor não fazer sucesso? Para mim, isto é genial! Uma ideia original que visa dar suporte para o novo autor e que é totalmente vantajosa. É óbvio que há custos arcados pela editora, como por exemplo manter esta produção sob demanda, revisão e diagramação dos textos e muitas outras coisas. O que eu quero dizer é que não há material que ficará empoeirado em prateleiras; não há produção desnecessária, não é o máximo?

É notável que a Multifoco vai repassar uma porcentagem menos para o autor no começo da publicação para que ela possa recuperar seu investimento e o autor tem que compreender isso. O legal é que ela vai recuperar este investimento com muita agilidade, dada a sua forma de impressão contemporânea. Tem algumas empresas ( não é o caso da Multifoco) usando a impressão sob demanda para furar o olho dos autores, é preciso ter muito cuidado.

Entendo, portanto, como vantajosa o inicio de carreira literária pela editora que estamos falando. Percebo que há flexibilidade e modernidade em sua maneira de publicar que visam estimular o próprio autor a correr atrás da venda dos livros. É uma parceria muito interessante. Bem, é isso, por hora! Até o próximo post!

19 de novembro de 2010

Vlog e Book Trailer, você já fez o seu?



Com as possibilidades advindas da internet, com a integração das informações, muitos jovens autores usam de vídeos para divulgar suas obras. Seja por meio de book trailers ou por meio de diários em vídeos, a intenção é a mesma: despertar a intenção do leitor. Vejo com bons olhos a iniciativa e hoje trago para vocês, com a devida licença, o vídeo de autoria doescritor Douglas Turolli em que ele dá dicas de leitura e fala um pouco de sua vida. No vídeo ele indica o livro Ester para quem lhe assiste.

Vale a pena dar uma conferida. Veja também o canal do jovem escritor no Youtube:

http://www.youtube.com/user/DouglasTurolli

Mas o legal mesmo é o book trailer do livro dele Geena - O Vale do Himon:




Minha opinião é que esta forma de divulgação é muito rápida e eficiente. Ainda não disponho de "vídeos" de divulgação, mas sempre assisto de amigos e de autores.  

Fica a dica!



 

18 de novembro de 2010

O Expresso dos Escritores Amadores



É muito comum encontrarmos autores ou simplesmente pessoas que falam de si; que tem olhos apenas para suas palavras e não conseguem, ou talvez não queiram sentir a mensagem alheia. Com esta observação inicio minha postagem de hoje, com este pensamento, apresento a vocês dentro do contexto inverso, o Expresso dos Escritores Amadores. O EEA, como é conhecido o espaço por aqueles que fazem uso dele, destina-se a autores iniciantes que desejam divulgar suas obras.

Coordenado pelo jovem escritor Cláudio Manuel de Almeida, o blog literário que menciono, reune observações importantes sobre o mercado literário, sobre histórias e assuntos relacionados à carreira de escritor. Mas o que chama a atenção, na opinião deste que vos escreve, é o fato de ser um espaço de promoção de vários autores iniciantes. Na lateral direita do blog estão disponíveis para consulta 29 autores novatos! Não é só isso: na parte inferior salta-nos aos olhos obras prontas para leitura destes novos escritores. Quer conferir?


Entendo e vejo a iniciativa como um passo importante para a conscientização de que autores nacionais e novos podem ter o devido valor. Vislumbro possibilidades nunca antes pensadas com a quebra de preconceito à nova literatura. Sabe por que vejo estas coisas? Porque é um trabalho em conjunto feito por aqueles que possuem objetivos comuns. Unidos somos muito mais; somos fortes e somos todos. É preciso, caro amigo, que tenhamos o espírito de equipe em tudo que estivermos fazendo, pois como dito antes, fazemos para os leitores.

E você que é um escritor tem uma ótima oportunidade para divulgar o seu trabalho e conhecer mais pessoas com ideais similares aos seus. Eu não perderia essa oportunidade, como de fato não perdi, de forma alguma. Um último detalhe: o blog disponibiliza para seus novos escritores serviços de revisão de texto e leitura crítica.

Fica a dica! Abraço e até aproxima postagem!

16 de novembro de 2010

Um ano de blog, Novo layout e nova promoção!




Olá, meus amigos! Hoje o blog literário Ester está fazendo um ano de vida! Para comemorar, é com alegria e satisfação que apresento a vocês o novo layout do blog, agora mais "claro".  Mas não é só isso! Com a mudança de visual também tem promoção. 

Isso mesmo, em parceria com o site literário Livros On, estamos lançando a promoção ESTER PARA LER A VONTADE. Isto significa que durante o periodo promocional será possível ler o livro Ester na íntegra pelo domínio do Livros On!. O livro todo, em sua edição atual está disponível para leitura on line no site, sem que você, caríssimo leitor, precise pagar nada para lê-lo. Então o que você está esperando? 


Achei o máximo a promoção! Por que trás Ester 2ª edição para o mundo dos e-livros. Gostaria muito de que lessem e dessem opiniões! Estou negociando uma terceira edição de Ester com novidades! 

Feliz aniversário para nós!



12 de novembro de 2010

O Livro dos Jovens de Masaharu Taniguchi



Jovens, sonhem!

O escritor, poeta, filósofo e mestre da Seicho-No-Ie Masaharu Taniguchi, deixou uma obra muito interessante, voltada para o caráter das pessoas. Confesso que tive um pouco de preconceito quando recebi o livro que resenho; minhas deduções partiram do fato de que tratava-se de um livro religioso. Contudo, não precisei mais do que duas páginas para perceber que tinha um grande livro em minhas mãos; que tinha ensinamentos muito importantes. O Livro dos Jovens é uma obra que tem ligeiro apelo religioso, mas que traz lições de vida que desconhecemos; que nos ensina como lidar com o cotidiano e a manifestar todas as nossas qualidades.

Se você é daqueles que gostam do gênero literário denominado "Auto Ajuda", saiba que pode trocar todos os livros que leu deste assunto por este que resenho agora. Diferente dos livros que focam meios de se ganhar dinheiro, de ter sucesso, de ser líder nato e de manifestar a lei da atração, o Livro dos Jovens não tem apelo comercial. O autor parece mesmo se preocupar com os jovens e seus futuros. Em linguagem simples, direta e objetiva ele explica como proceder nas diversas situações da vida. Acredito mesmo que ele estava iluminado quando concebeu a obra, dado o grau de simplicidade que ele emprega em assuntos tão complexos. Fica evidente seu domínio sobre o assunto.

Eu já li alguns livro de Auto Ajuda e identifiquei neles alguns aspectos muito interessantes. Minha frustração está sempre no fato de serem livros feitos para agradar a todos, para vender. Saiba de antemão que isto não acontece com o Livro dos Jovens, pois é uma obra que em muitos lugares foi distribuída de graça. Saiba que comprando o livro você está ajudando o pessoal da Seicho-No-Ie a espalhar a mensagem de Masaharu Taniguchi pelo mundo. Em minha opinião, tudo que é feito com boas razões sempre prosperai! Então vá lá comprar seu Livro dos Jovens na Seicho-No-Ie de sua cidade.

Tenho certeza de que as palavras contidas nele vão fazer você refletir muito. Aspectos esquecidos por nossa sociedade superficial são abordados no livro além do fato de que ele pode ser lido por diversas vezes, já que sempre é atual e merecedor de consultas. Eu mesmo estou lendo mais uma vez. Você pode comprá-lo pela internet: 

Bem, é isto! Até a próxima resenha!

11 de novembro de 2010

Jovem autor, cuidado!


 

Nós, novos autores, estamos sempre cheios de esperança, de entusiasmo e energia quando falamos de nossos livros. Mais ainda: ficamos empolgadíssimos quando começamos a perceber que é possível publicá-lo. Aí, caro amigo, surge o grande impasse que consiste em saber se o serviço editorial oferecido é mesmo viável ou não. Eu já passei por isto e creio que todos nós passaremos. Usei da experiência para notar alguns detalhes que podem ajudar na hora da escolha de uma editora. Vamos a eles!

Inicialmente tenha em mente buscar parceiros e não empresas-lobos, que querem abocanhar seu sonho. Vise editora que tenha um plano de publicação no mínimo justo, em que você seja visto como escritor e não como cliente. Quando falo em justo, não quero dizer que necessariamente o plano de publicação seja de paridade; digo no sentido de honesto mesmo, aquele que você sabe de imediato como será o lançamento de seu livro e o que a editora vai ganhar com isso. Não se esqueça de que você está começando e é natural que a editora tome alguns cuidados com sua publicação; que comece a acreditar no livro gradativamente.

Pesquise, escute opiniões sobre as editoras. Analise os métodos de publicação com a frieza de quem está contratando um serviço. Não se deixe levar por palavras bonitas que massageie seu ego, falando bem do seu livro no intuito de vender serviços para você. Seja profissional e desapegue do seu livro, quando for buscar sua editora. Ainda sobre profissionalismo, saiba ouvir e sopesar as propostas e tenha cuidado.

Aqui vem a parte principal: tenha muito cuidado com empresas-lobos que querem usar o seu sonho para ganhar dinheiro. Não é difícil identificá-las, basta analisá-la pelas seguintes premissas: eles estão me vendo como autor ou como cliente? Como parceiro ou como consumidor? Visam o público leitor ou vender serviços aos autores novatos?

Enfim, jovem amigo autor, saiba que existem muitos que querem se aproveitar da sua empolgação com as palavras. Cabe a você identificá-los e afastá-los para que pessoas honradas possam aparecer e ajudá-lo em sua carreira. Nunca deixe de acreditar em você é minha última dica. Mesmo que o mundo não acredite, mesmo que todos digam que você não tem talento ou ainda que um livro seu nunca fará sucesso, simplesmente ignore estes comentários. Com o tempo você vai "sentir a energia" de pessoas que comungam de ideais que "encaixem" às suas e tudo ficará mais fácil.

Sucesso!

10 de novembro de 2010

O superego e seu perigo


 

Esta postagem condiz com minhas observações sobre o mercado literário, mas não especificamente. Na verdade, ela diz respeito ás pessoas; aos escritores mesmo. Muitos deles estão dando valor excessivo a si mesmo e ao seu trabalho, esquecendo-se de que escrevem para serem lidos e não para eles próprios. A esta postura dou o nome de superego, com nova ortografia e tudo! Nós, autores iniciantes, temos que tomar muito cuidado com isso, pois não devemos esquecer que estamos realizando um trabalho para leitores. Eu sei que é difícil não se empolgar com personagens, história e a possibilidade de ser famoso,mas nós temos que ser prudentes sempre!

Você deve sim ficar empolgado com seus personagens, suas histórias e comentários sobre ela, mas não deve deixar que estes fatores sejam mais importantes do que quem está lendo seu livro. É preciso ter em mente aquilo que você como leitor gostaria de ler para depois ser escritor. Aqueles que trabalham a qualidade textual de maneira incessante e enriquecem o texto com detalhes, são louváveis; aqueles que fazem tudo isto para ter o aval da crítica e a desconsideração dos leitores é desprezível. Tenha em mente que você está iniciando sua carreira literária e que está em um mercado disputadíssimo, mas que esquece que sobrevive por causa dos leitores. (eis a dica principal). É incrível como editoras, escritores, roteiristas e diretores se esquecem de que é para o público que trabalham. Você não deve se esquecer nunca!

Quero frisar que não há receita para escrever e fazer sucesso ou escrever bem. Não existe, a meu ver, regras predeterminadas para o ramo, tampouco entendo que livros curtos, com linguagem simples e mensagem bonita ou apelo comercial, infalivelmente vão fazer sucesso. Livros avessos a estas qualidades podem sim desbancar aqueles primeiros, dependendo de inumeráveis fatores. Minha dica para este impasse é a seguinte: escreva aquilo que sua alma deseja, mas escreva para os leitores.

O ego é importante. Saber se dar o devido valor é indispensável, faz parte de quem tem personalidade própria e não é um simples boneco globalizado. Superego é dispensável, seguindo a política de que tudo em demasia atrapalha. Aliás, nosso trabalho é uma reflexão constante de não ser mais nem menos, mas na medida, no meio, entre os leitores. Então preste atenção nestes detalhes importantes, amigo escritor novato! Escreva seus livros para os outros, pois quem escreve para si mesmo são os poetas! (brincadeira com os poetas).

Abraço e sucesso para todos nós!

9 de novembro de 2010

Novo Livros On!



Desenho de Paul Law


Não é de hoje que venho falando sobre literatura online; sobre a possibilidade de escrever ou ter uma boa leitura na internet. Hoje, tenho a satisfação de apresentar a vocês amigos leitores e amigos escritores um novo portal de literatura. Trata-se do site Livros On! Para aqueles que já ouviram falar do Livros On! Sabe que se trata de um site onde se pode ler livremente obras de talentosos autores iniciantes, mas o que eles não sabem é que o portal sofreu intensa modificação!

Agora há a incrível possibilidade de se cadastrar no Livros On!, acompanhar atualização de livros e poder  dar sua opinião. Isto mesmo! Você pode até ser autor, contudo, esta possibilidade está condicionada a administração do portal que após receber a solicitação, avaliará a participação do usuário no site e se posicionará em relação ao pedido. O site é totalmente editável e democrático, possibilitando aos cadastrados liberdade considerável. Ele faz uso da plataforma de publicações do Issu, já comentada aqui em que os autores podem criar seus próprios e-livros. É muito legal!

O site ainda está sendo construído, mas já se pode cadastrar e também curtir sem cadastro mesmo um pouco de como vai ficar:

Eu estou por lá junto do Douglas Turolli e da Jéssica Blend:

Para ver do que estou falando, é necessário cadastrar no site. Vale a pena, já que você poderá ler, escrever, comentar e ficar por dentro de todos os livros que estão no portal.

Em breve trarei mais informações sobre o novo site e suas novas funções. Por hora, fica a dica!
Até breve!

5 de novembro de 2010

Resultado Promoção Ester

Bem, como era esperado por aqueles que participaram da promoção que presentearia um livro Ester, eis o resultado retirado diretamente do site random:



O número seis foi o sorteado e ele corresponde a Ester Alves. Parabéns, para ela que vai ganhar um exemplar de Ester! Parabéns a todos que participaram, pois se não ganharam podem ganhar em uma nova promoção!

Até a próxima promoção!!!


3 de novembro de 2010

Desenho: Verônica/Mercúria

27 de outubro de 2010

Dom Casmurro de Machado de Assis



Capitu traiu mesmo Bentinho?

Essa, com certeza, é a pergunta mais interessante que eu quis responder, vez que, com toda a habilidade de Machado de Assis, torna-se quase impossível responder a questão primordial do livro.

Capitu, é uma personagem singular em alguns aspectos e muito parecida com a maioria das mulher em outros. Ela guarda infinito mistério nos olhos de ressaca, como dizia nosso finado amigo José Dias. Não é novidade, que foi esse mistério, essa incógnita de personalidade que atraiu Bentinho. Ela sempre fora alguém que não se podia prever uma atitude e isso fascina.

Nosso Bentinho, por sua vez, sempre fora um sujeito indeciso; um submisso ás atitudes da mãe. O que o fazia melhor, era sua imaginação. Talvez ela, houve de traí-lo quando lhe forçou a deduzir pela traição de Capitu, ou não.

Confesso que mesmo admitindo a traição de Capitolina, senti pena dela. Ela conseguiu, com seus gestos e atitudes de mulher ainda que adúltera, mas íntegra (e como conseguiu?), ludibriar-me; acho que a todos que a conheceram nas páginas de Dom Casmurro. Ela é mesmo um mistério.

Quando Bento, não suportando mais a presença da esposa a manda para a Europa junto de seu suposto filho, ela não repudiou; não reclamou. Defendeu-se com elegância,como todas as mulheres devem fazer. Ela foi, de longe e sempre, superior a Bentinho e acabou morrendo com sua dignidade intacta. (mesmo adúltera aos olhos do marido).

A questão principal não foi se Capitu traiu o marido, mas sim como ela pôde fazer isso, se fez, e manter toda a beleza e dignidade que tivera antes. Vai aí, ímplicita, como muito que há nas letras de Machado, uma dica para todas as mulheres. Para nós leitores, fica a admiração.

Contudo, mesmo achando irrelevante a traição, vou argumentar pelo que acho. O menino Ezequiel tinha as fuças do amigo morto Escobar, segundo Bentinho. Um pai, de acordo com minha experiência, reconhece seu filho e Bentinho não viu Ezequiel como tal. Capitu sempre fora senhora em dissimulação, vide o início do livro, quando dissimulava os beijos com Bentinho. Porquanto, era misteriosa e para quem esconde-se em si, não se pode concluir tanto para bem quanto para mal.

Por outro lado, Escobar sempre me pareceu muito leal ao amigo. Não acredito, que teria coragem de traí-lo dessa maneira. Mas não podemos deixar de atentar para o fato de o falecido ser comerciante e essa raça é de atos suspeitos, digamos assim. Enfim, não há como atestar com veemência se houve adultério ou não. Contudo, torna-se desnecessário sabê-lo, bastando a possibilidade de existi-lo e mais: Bentinho tornou-se vilão e a adúltera vítima e mocinha. Palmas às mulheres!